1 1
Home Quem escreve Meus livros Contato

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

SONETO AO CELULAR

Controlador de humanos arranjados
Que vem enclausurando a sociedade;
Pequenos e portáteis, programados
Para sugar a tua liberdade;

Modelinhos bonitos, disfarçados...
Que te levam a uma outra realidade;
Humanos prisioneiros de legados
Tecnológicos para a eternidade;

Tiram fotos, invadem outras vidas...
Relações amorosas num torpedo
Podem terminar com o amor tão quedo;

Aparelho das horas não vividas...
Eu não te uso nem para despertar
Nas minhas manhãs lindas... Celular;

Soneto 


52 comentários:

Aline disse...

Bom dia amigo!

Eu também não gosto muito de celular,mas quando de fato preciso me é muito útil.

Beijo
Aline.

Ritinha disse...

Bom dia...
Pois é! o meu celular é minha máquina fotográfica, e as poucas ligãções são das filhas, pois ele sempre está de lado, mas é útil demais!
Algo que dificil quem não tenha.
É a modernidade amigo.
Seu soneto ficou demais!
bjs
Ritinha

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Oi Samuel,tenho celular,mas uso somente o necessário.
Lindo soneto
bjs
Carmen Lúcia-mamymilu

Severa Cabral(escritora) disse...

BOM DIA MENINO POETA !
MEU CELULAR PRECISA MESMO GANHAR UM SONETO LINDO,rsrs.VEJA BEM O QUE ELE REPRESENTA PARA MIM ...
EU QUE VENHO DE UM TEMPO;ONDE A LUZ DO CANDIEIRO ME ALUMIAVA,MEU TRANSPORTE ERA OS PÉS,MINHA COMUNICAÇÃO ERA POR CARTA QUE MUITAS VEZES DURAVA 30 DIAS PARA RECEBER.A TELEVISÃO ERA DOS VIZINHOS.HOJE SENDO DONA DE UM CELULAR ONDE POSSO FAZER TUDO ISSO EM TEMPO RECORDE ,SÓ TENHO QUE ABRAÇAR A CADA DIA O MEU CELULAR,rsrsrs.HOJE NEM SEI MAIS VIVER SEM ELE.
PARABÉNS MEU QUERIDO PELO LINDO SONETO QUE DIZ MUITO DO QUE ELE REPRESENTA PARA VOCÊ.PARA MIM REPRESENTA UM OUTRO MODO DE VIDA.
BJSSSSSSSSSSSS

Bell disse...

oi Samuca

Uso meu celular pra me despertar rs...
Mas não é só ele que está acabando com os relacionamentos, o famoso facebook tb.
Pra onde eu olho tem gente mexendo no celular conectado a essa rede aff.
Não existe nem mais almoço, perceba que todo mundo fica deslizando o dedinho no aparelho celular rs...

tenha um ótimo dia =)

ᄊム尺goん disse...

bela reflexão.

[uso pouco o celular]


beij0

Vall Nunnes disse...

Bom dia Samuel, soneto pra despertar.
As pessoas se deixam controlar, conheço gente que até ao banheiro leva o bendito!
Minhas filhas só tem porque o pai comprou. Por mim só teriam quando pudessem comprar.
Pessoalmente, só uso para finalidades indispensáveis: trabalho e família, além de contatos com alguns amigos (as).
Abraços!

Cidália Ferreira disse...

Bom dia Samuel

Que bonito, tens uma imaginação fantástica e muito realista..

Não vivo sem o meu telemóvel, nem sem o PC

Gostei muito; Parabéns!
Beijinhos

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Kaka Stelê disse...

Eita Samuel...você não curte celular mas tem facebook,rs
Quem consegue viver sem celular nos dias de hoje merece um prêmio...hehehe
Vou pedir para o Papai Noel te dar um celular,assim você perde esse trauma =)

Abraços *-*
Estrela,Flores...Melancia

✿ Rê ✿ disse...

Bom dia querido amigo poeta!
Que lindo esse soneto, realmente é o que acontece nos dias de hoje!
Eu uso para tirar fotos, como despertador e agenda de telefones.
Meu filho me liga ao chegar e sair da escola para me deixar tranquila.
Tem que usar com moderação, se não pode prejudicar até o coração.
Bj
Com carinho

Femme- Mãe, Esposa, Mulher!

Fernanda Bender disse...

Adorei!! Ficou muito bom, tu captou a essência desse aparelhinho nos últimos tempos... tem quem não desgrude mais dessa coisa. Mas olha, eu uso pra despertador o meu...kkkkkk

Laura Santos disse...

Aaah! Fantástico, Samuel! Até poesia você faz com o celular, que nós aqui em Portugal chamamos telemóvel..:-)
Eu tenho um, apenas porque mo ofereceram, já me fez muito jeito em certas ocasiões,mas na verdade raramente o utilizo, geralmente esqueço-me dele.
Um belo soneto, e concordo totalmente com a sua visão acerca do celular. É útil, mas existem pessoas totalmente absorvidas por estes gadgets...
xx

Smareis disse...

Olá Samuel, Boa Tarde!

Eu estava aqui e tu estavas no meu blog. Que legal rsrs.

Fantástico Soneto!

Você conseguiu colocar de forma exata e maravilhosa o que realmente o celular virou nos dias atuais. Controlador de humanos arranjados. Na verdade o ser humano não consegue mais viver sem esse bichinho meio que humano.
Utilizo celular por precisão, por vezes ele me incomoda em alguma ocasião. Tem pessoas que me cobra muito sobre eu andar com o celular, e por vezes não atender. Agora mesmo uma pessoa me ligou e ficou brava, porque meu celular estava na bolsa, e eu estava no trânsito. Tenho Smartphone que faz tudo que qualquer computador faz, mas mesmo assim utilizo pouco em rede. Prefiro computador ou notebook.

Parabéns por mais esse excelente poema

Amigo, te deixo um beijo no seu coração.
Uma ótima tarde!

Ricardo- águialivre disse...

Sem dúvida que o celular tomou um lugar importante na vida de qualquer pessoa. Hoje em dia quem não tem, pelo menos, um celular?
Gostei muito de ler

Deixo um abraço
***
http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/

Rute disse...

As pessoas infelizmente se comunicam uma com a outra pelo celular do que olho no olho.
O meu é usado como despertador, para ligar e receber chamadas. Não tem tecnologia avançada não é chifrim perto do que vejo por ai, rsrs
Beijos de boa tarde

Mary disse...

Olá meu querido amigo Samuel!

Olha, desculpa só vim agora,é uma honra ser presenteada com um soneto seu...Saiba que fico muito feliz quando vc me aparece rs.

Eu ñ sei se irei ficar, sei apenas que sinto muita saudade de todos.

Lindo soneto ao Celular, apesar q eu ñ su fanática pelo mesmo(CELULAR) mas ñ dar pra ficar sem!

Bj meu querido,obrigada e até sempre!

Dorli disse...

Oi Samuel,
Eu não gosto de celular, se eu demorar, a cidade é pequena, que peguem o carro e vão me procurar. se for coisa ruim a gente sabe na hora,kkk
Não me ajeito com o Not, erro tudo, daqui a pouco o meu computador chega.
Beijos Lua Singular

Marcos Satoru Kawanami disse...

Samuel,

Concordo, e digo que nunca tive celular, só telefone fixo.

=D
Marcos

Clau disse...

Oi Samuel :)
A maioria das pessoas não vive sem,
mas eu não gosto de celular e uso pouquíssimo.
Pelo menos pra mim,esse aparelho não é uma necessidade vital!rsrs
Essa coleira eletrônica me incomoda muito.
Achei o soneto fantástico.
Bjs \o/

Natty ♥ disse...

Adorei esse soneto! :)
Amei o que me deixou também, o SONETO AO VESTIDO. Lindo demais também, muito obrigada! =) beijão!
contornoperfeito.blogspot.com.br

Rô... disse...

oi Samuel,

tenho cruzado com seu rosto por blogs de pessoas muito queridas,
então eu curiosamente vim dar uma espiada por aqui,
gostei bastante do que vi e do que li,
se não se importar,vou me acomodar pra ler um pouco mais...

beijinhos

✿⊱Lilasesazuis✿⊱by Lígia✿⊱ disse...

Olá Samuel,

Obrigada pela sua presença bonita em meu blog.

Acho que você não consegue acessá-lo, pois ele é "pesadão".

Gosto das músicas e mais aqueles fricotes....

Olha, se você tiver muita dificuldade, mande um email, ficaremos felizes!!

Puxa, você tem toda razão sobre o celular!

O bom senso no uso deve prevalecer para que ...não nos tornemos "humanos prisioneiros de legados
tecnológicos para a eternidade"...

bom final de semana,

abraços,

Lígia e =ˆˆ=

Bandys disse...

Ola Samuel,
esse lance de celular é um horror. Outro dia num restaurante tinha uma mesa com seis pessoas todas olhando pra caixinha preta. Tem hora e lugar pra ser usado.
Olha, amei o soneto ja ja coloco.
Um enorme beijo e um final de dia cheio de paz

silvioafonso disse...

.


É como diz o velho Palhaço
Poeta; "quando Maomé não
vai à montanha, ela fica sem
a presença dele"
.
Pois é, meu jovem e querido
amigo. A saudade me trouxe
pela mão e me fez ver a beleza
através do seu trabalho.

Um abraço e bom tudo. Bom
final de tarde, de semana e de
Domingo.

silvioafonso




.

silvioafonso disse...

Você, Clau. Me lembra os garimpeiros
quando separam do que não tem valor a
bela pedra brilhante como esta.
Parabéns pelo bom gosto e pela letra
sempre clara e tão bonita.

Beijos,

silvioafonso


.

Dorli disse...

Oi Samuel
Passando para agradecer sua visita e lhe dizer um bom fim de semana.
Beijos
Lua Singular

Ivone disse...

Samuel, eu perdi o meu celular e não quis ter mais, hoje sou aposentada, trabalho se quero, ainda tenho minha micro empresa com meu marido, mas não trabalhamos mais como antigamente, estamos curtindo a vida.
Usamos o mesmo celular, meu marido e eu estamos sempre juntos, estamos nos sentindo mais livres e felizes!
Gostei do soneto, muito bom, alertando as pessoas para que não vivam tão escravos da tecnologia, pois essa se defasa em dias, sempre novos e mais avançados são
lançados!
Abraços!

Lu Nogfer disse...

Ah soneto ao Celular! Gostei! Só que eu nao consigo ficar sem ele qdo saio. Porém em casa, me esqueço até de ligar pela manha e aí levo broncas uma atras da outra!To nem ai!rsrs

Beijos e tenha um lindo final de semana, doce amigo!

Fábio Murilo disse...

Versátil. Também uso raramente. É comum acabar a bateria no meu bolso e eu nem notar, como esquecer em casa.

http://apoesiaestamorrendo.blogspot.com.br/

Fernanda Oliveira disse...

Rsrsrsrsrs olha amigo Samuel, não é à toa que sempre lhe destaco a sua diversidade na escrita, nada de rotina né amigo !
Eu fico na minha rotina do amor e você na diversidade de sonetos.
Gostei, rs e devo dizer que dia 12 é meu aniversário e tô querendo muito ganhar um celular, quem sabe, rs
Amei ler-te !

Beijinhos !

Fernanda Oliveira

Daniel Andre disse...

Bom dia amigo Samuel. E aí rapaz, como vai ? Antes de mais nada, saiba que gosto muito de ler seus comentários. Não apenas em minha página, mais nas várias páginas que percebo a sua presença. Isso é muito bacana, e um ato de grande humildade em meu ver.

Celular, ah monstrinho que nos torna tão dependentes dele! Por mais que as pessoas repudiem, ele se torna cada vez mais presente e necessário. Já tive problemas por não ter, já tive problemas por ter (rs)... Enfim, coisas de uma época moderna demais.

Sou fã de seus sonetos, daqueles dedicados as amigas poetisas, e inclusive esses que você escreve, diversificando um pouco. Sempre parabéns muchacho! rs

Abração, ótimo sabado.
Dan.
http://gagopoetico.blogspot.com.br/

Fernanda Oliveira disse...

Bom dia amigo Samuel, poxa na brincadeira do celular ganhei um presente lindo, em breve mostrarei ao mundo meu presente, rs
Obrigada amigo, eu amei demais !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Beijos !

Fernanda Oliveira

José María Souza Costa disse...

Olá, bom dia, tudo bem.

Quero te desejar um fim de semana, bom.
Bem bom.
O tempo é de luzir. Então cada um de nós que busquemos o nosso Sol.
Ele paira, e nos convida ao aquecimento do cotidiano. Não por que queremos, mas por que o tempo, exige em exposição, que cada um de nós, busquemos o nosso lugar. Abraços.

may lu disse...

Bom dia Samuel! Na verdade eu também quase num uso o celular. Geralmente quando preciso dele, eu nunca consigo falar com a pessoa. E por vezes acabo é aborrecida... kkkk. Mas ele pode ser o único meio de comunicação para algumas pessoas. Porém num gosto de ver alguém pendurado nele 24 hs... Não há necessidade disso.
Seu poema é um alerta para alguns... Gostei muito!
Tenhas uma semana abençoada e iluminada! Bjs

Rita disse...

Boa tarde de sábado!!!!

Agradeço sua visita tão carinhosa
e desejo sempre o melhor pra vc
tenha um final de semana cheio de alegria com esse post divino, que
sempre enche nossos olhos de muita
alegria , com esse belo soneto do CELULAR bjussss

Abraços com carinho!

└──●► *Rita!!

Maria Adeladia disse...

SAMUEL:Boa tarde, meu anjo!!Acho que hoje é muito difícil viver sem um celular!É uma ferramenta prática!Gostei da forma que vc falou sobre ele!
Amigo, o mimo lindo que ganhei já está publicado.Obrigada por algo tão lindo!Bjs e um fim de semana cheio de felicidades!

Lívia Apetitto disse...

Muito bom e até hilário, pois que nem eu me deixo levar
nessa coisinha que parece pequena, mas tão grande a invadir nosso lar.
Abusado pois que tenho por preocupação de minhas filhas,
não posso ir até a esquina que elas me seguem na trilha
e por tal tenho que dar notícias que comigo tudo está bem,
nem pensar em sair de cena que elas brigam também...

Adorei o poema menino danado, de tudo fazes poemas, vejo que teu lar é um reino encantado, como esta terra imensa de presente a nós doado.
parabéns, sempre parabéns na soltura dos teus versos
e por agora com um beijo em sua face, eu me disperso...

Abracitos

Livinha

Dorli disse...

Boa tarde Samuel
Mesmo sem celular, passando para lhe desejar um bom fim de semana
Beijos
Lua Singular

Rafaela Sena disse...

Oi Samuel! cara gostei do tom crítico e suave ao mesmo tempo. Celular é uma das "prisões" modernas. Grande abraço querido! poesia sempre!!

Rosemary Lima disse...

Oi samuel, obrigada pela visitinha lá no meu blog! To seguindo o seu blog, gostei muito daqui, tudo perfeito!

Beijos

Tallita Monteiro disse...

Eu amei....amo essas analogias que nos fazem refletir, certamente estamos nos desligando do mundo real para nos conectarmos ao virtual,assim estamos perdendo a bela essência do contato olho no olho....
Já te adicionais na lista dos meus poetas favoritos!!
Beijos!

Maria Rodrigues disse...

Lindo soneto.
Adorei a forma como escreve, meus parabéns.
Um abraço
Maria

Tallita Monteiro disse...

Claro que pode irei aguardar meu soneto....rsrs !! *-*

✿ chica disse...

Puxa, uma coisinha tão simples ganhou esse lindo soneto!Adorei! E o meu, de tão simples que é nem os ladrões do assalto o quiseram.Olharam e me devolveram, bem como meu comunzinho relógio. Tô mal?rs Não acho que estou bem demais,nessa!sr abração,chica

*** ZIZI *** PARA OS AMIGOS!!! ### disse...

Parabéns meu querido! Até o celular ganhou um lindo soneto!
Para mim ele não tem muito valor rsrsrs. Uso só em caso de necessidade.
Beijinhos em seu coração...

Suzi (Vulgo, Emilie) disse...

Antigamente nem tanto. Mas agora, com essa série de celulares inteligentes, cheios de aplicativos, estamos perdidos. As pessoas se deixam levar muito fácil pela tecnologia.
●••●Emilie Escreve●••● @hisakurasan

Vera Lúcia disse...

Arrasou neste soneto, Samuel.
O celular tem sido mesmo "um aparelho das horas não vividas". Uso o celular porque o considero de grande utilidade, mas somente para receber e atender chamadas. Troquei o meu ontem, mas não por questão de vaidade e maiores recursos tecnológicos, mas porque o anterior estava me deixando na mão quando mais precisava dele. Certo dia fiquei presa no elevador e por sorte ele me deu a oportunidade de pedir ajuda diretamente ao plantão da Empresa. Caso contrário teria ficado lá 'berrando' até alguém me ouvir, pois no meu prédio é um apartamento por andar, o que dificulta a interação entre os apartamentos.

Parabéns por esta inspiração tão condizente com a realidade do uso deste aparelho.

Sentindo sua falta por aqui.

Abraço.

MARILENE disse...

Nota-se, nas ruas, nas praças, nos restaurantes... muitos ocupados com seus celulares, em detrimento de uma conversa no mundo real. E até no interior dos lares isso ocorre. Parabéns pela inspiração. Bjs.

Patrícia Pinna disse...

Boa noite, Samuel.
Apesar de ter ficado lindo o soneto e fazendo com que reflitamos sobre a falta de diálogo, acredito que o aparelho celular seja extremamente importante.
Precisamos nos comunicar, e ele serve para isso em primeiro lugar.
O que penso, é que não podemos ficar refém dele, apenas isso, mas penso que a sua necessidade é notória.
Parabéns!
Beijos e beijos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Adriana Paz disse...

Samuel.Esse foi demais! Concordo com você,mas tenho.Motivo?Trabalho de dia e faço faculdade à noite e preciso me comunicar com minha mãe,já idosa.

É muito estranho andar pelas ruas e ver muitas pessoas falando no celular e outras que dizem não viver sem ele.

Têm coleção de modelitos.

Fiquei feliz por estar me seguindo e já vi meu espaço aqui na sua lista.

O seu já está na minha também.

E mais: você completou 150 seguidores em 75 dias de blog.

Vou fazer um selinho comemorativo para ficar no lugar do atual.

Obrigada pela visita e volte sempre.

Seja Bem Vindo,meu novo amigo poeta.

Estarei sempre aqui,claro.

Beijinhos e um fim de semana maravilhoso

Dryka



Blog Suas Histórias Nossas Histórias

Ana Cecilia Romeu disse...

Muito interessante, Samuel
o soneto da contemporaneidade.
E amores eternos que acabam em um clique, e amores furtivos que se consolidam em pequenas mensagens...
coisa doida estes nossos tempos!

Beijos!

Tais Luso disse...

Báh, Samuel, tantas verdades em poucas linhas! Você captou um aprisionamento, uma dependência, um interagir quase 24 horas. Muitos deixarem de usufruir as coisas boas e reais da vida, até um estar só consigo. Desaprenderam em pouco tempo o que a humanidade levou séculos para aprender. Parece que ninguém é mais dono de si. Perfeito seu soneto, Samuel.. Gosto de sua maneira de ver as coisas. Muito lúcida, madura, independente.
Bjus, um ótimo Natal com sua família!